PARQUE DE LOCOMOTIVAS A VAPOR DA CP (Breve Historial)

BREVE HISTORIAL DO PARQUE DE LOCOMOTIVAS A VAPOR DA CP

A tração a vapor em Portugal, aconteceu num período de cerca de 130 anos, iniciando-se em 1856 por intermédio da Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses e até 1977 com a CP, sucessora da Companhia Real e isto na via larga, porque na via estreita tivemos comboios a vapor entre 1875 e o início da década de 80 do século XX..

No seu período áureo, a CP teve cerca 300 locomotivas a vapor a funcionar, as locomotivas de tipo 230 e 231 de via larga eram na CP de grande classe e na via estreita também o foram as da série E140, assim como as Mallet.

Neste artigo, apenas são referidas as séries de locomotivas que existindo, foram abatidas ao parque depois da remuneração verificada em 1952 e que ainda hoje vigora nos mais variados tipos de tração e nos vários tipos de material circulante.

  Locomotivas Tender de Via Larga

Série 010

Pequena série de apenas 4 locomotivas, foram construídas entre 1899 e 1903, pelas casas alemã Hanomag (as 011 e 012) e pela casa inglesa Beyer Peacock (013 e 014) e eram do tipo 031T. Começaram a sua vida ativa nos Caminhos de Ferro do Estado – Direcção do Minho e Douro e foram para a CP a artir de 1931, onde acabaram a sua carreira. Os CFE-MD compraram estas 4 locomotivas com o propósito de servirem nos comboios de mercadorias, nomeadamente no Ramal de Alfândega, no Porto. As 2 locomotivas de construção inglesa foram preservadas e estão no Museu Nacional Ferroviário, na Secção Museológica de Lagos (a 013) e no anexo de Nine, da ecção Mseológica de Braga (a 014).

Série 070

Construídas entre 1916 e 1944, estas locomotivas foram consideradas as mais versáteis, tendo-se adaptado de maneira fácil aos mais vários tipos de serviço que lhes foram solicitados. São do tipo 132T Adriatic e foram construídas pela casa suíça SLM (071 a 085) e pela casa alemã Henschel & Sohn (086 a 097). De maneira tardia, em 1944 a série viu ser integrada mais uma locomotiva, a 070 (deveria ter sido 098), que tem uma particularidade muito especial, pois foi construída pelo próprio pessoal da CP,  nas Oficinas Gerais de Lisboa, tendo demorado 7 meses a ficar pronta e é uma das poucas locomotivas a vapor construídas em Portugal. A 070 e a 094 foram preservadas e estão no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 0180

Esta série de 10 locomotivas de tipo 142T Berkshire, foram um produto da casa alemã Henschel & Sohn, que as construiu e entregou em 1924. Começaram a sua vida útil nos Caminhos de Ferro do Estado – Direção do Sul e Sueste e acabaram por chegar ao fim do vapor, já na CP, onde em 25 de março de 1977, a locomotiva 0187 rebocou o último comboio a vapor entre Porto São Bento e Porto Campanhã, num comboio especial feito com esse propósito. Quando vieram novas, eram alimentadas a carvão, mas devido à crise europeia do carvão no pós-guerra, foram fuelizadas. As locomotivas 0186 e 0187 foram preservadas e estão em estado de marcha, tendo voltado à CP, a fim de fazerem a tração do comboio histórico, com vocação turística, na Linha do Douro.

Locomotivas + Tender de Via Larga

Série 20

Estas locomotivas são do tipo 030 six wheeler, foram construídas entre 1875 e 1887 pela casa inglesa Beyer Peacock e na gíria do pessoal ferroviário foram apelidadas de “Papa-Almoços”. Começaram a sua carreira nos Caminhos de Ferro do Estado – Direção do Minho e Douro, chegando à CP em 1931, onde mais tarde acabaram a sua vida útil. A sua vocação principal era de fazerem comboios mistos, de mercadorias e manobras. A locomotiva 23 está preservada e está no Museu Nacional Ferroviário, mais rigorosamente na Secção Museológica de Valença.

Série 260

De tipo 230 Ten-Wheeler, apelidadas de “Atómicas” foram adquiridas pela CP entre 1899 e 1903, foram construídas pela casa francesa Fives-Lille e foram adquiridas com o propósito de fazerem comboios rápidos nas Grandes Linhas. A locomotiva 262 foi preservada e está exposta no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 350

De tipo 230 Ten-Wheeler, esta série de 20 locomotivas foram um produto da alemã Henschel & Sohn (351 a 365) e da casa francesa SACM (366 a 370) e foram construídas e recebidas entre 1908 e 1913. A CP comprou-as para fazerem comboios rápidos na Linha do Norte. A locomotiva 357 foi preservada e está no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 290

Esta série de apenas 6 locomotivas foi construída em 1913 e entraram ao serviço no mesmo ano nos antigos Caminhos de Ferro do Estado, mais rigorosamente na Direção do Sul e Sueste e foram um produto da casa alemã Henschel & Sohn. A sua principal vocação foi a de fazerem comboios rápidos na Região Sul, e a mesma série chegou ao fim do vapor, tendo a 291 feito na CP o último comboio comercial entre a Régua e o Porto.

Série 550

De tipo 231 Pacific e construídas em 1924, são um produto da casa alemã Henschel & Sohn, começaram a operar nos antigos Caminhos de Ferro do Estado – Direção do Sul e Sueste, até que se integraram a partir de 1931 na atual CP. A sua principal vocação foi a de fazerem comboios rápidos de passageiros na Região Sul. Não constituíram despesa a nível de compra, pois foram entregues a Portugal através do programa de compensações e indemnizações que a Alemanha se obrigou perante os países com quem esteve em guerra (I Guerra Mundial). A locomotiva 553 foi preservada e esteve muitos anos exposta na Secção Museológica de Santarém, encontrando-se hoje exposta no Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento.

Série 500

Esta série de apenas 8 locomotivas, foram construídas em 1925 pela casa alemã Henschel & Sohn, eram do tipo 231 Pacific e fizeram na CP comboios Rápidos entre Lisboa e Porto e volta. Tinham fama de corredoras e eram de grande classe, a 501 em 7 de abril de 1939, fez um comboio de passageiros entre Lisboa Rossio e Vila Nova de Gaia, em 3:43 e no regresso fez Gaia a Lisboa Campolide em 3:26, atingindo a média de 107,8 km/h e velocidades de ponta de 140 e 145 km/h, o que foi um grande feito para a época. A locomotiva 501 foi preservada, mas teve um grave incidente em Porto Contumil que a inutilizou de modo definitivo, não havendo mais nenhuma da série preservada.

Série 800

Esta série de apenas 3 locomotivas, chegaram à CP em 1947, em consequência da integração do material circulante da extinta Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta, onde foram nessa companhia as mais potentes do parque e tiveram a titularidade do Sud Express, desenvolviam 1700 kw de potência e  eram de tipo Mastodon (240), e foram um produto da casa alemã Henschel & Sohn, que as entregou à BA em 1931. Já na CP, terminaram a sua vida útil na Região Norte, sendo abatidas ao parque pelo Depósito de Porto Contumil. A locomotiva 801 foi preservada e esteve exposta durante algum tempo num pedestal junto à estação de Vilar Formoso.

© 2020 – Conceção do Departamento de Estudos da LUISFER

Desenhos das locomotivas – Agradecimento e cortesia de Eugénio Santos

Bibliografia consultada – Vapor em Portugal de Manuel Luna e

Vapeur au Portugal de Marc Dahlström

About Luis Moreira

Check Also

SIEMENS Vectron livraisons

Dans cet article, nous listons les locomotives fabriquées par SIEMENS du modèle Vectron. Nombre Livraison …