PARQUE DE LOCOMOTIVAS TÉRMICAS DA CP (Breve Historial)

BREVE HISTORIAL DO PARQUE DE LOCOMOTIVAS TÉRMICAS DA CP

A exemplo do que as suas congéneres europeias fizeram, a CP desenvolveu um programa no sentido de substituir a dispendiosa e obsoleta tração a vapor, por locomotivas a diesel (o mesmo que tração térmica) e que começou na segunda metade do século XX.

A CP foi adquirindo diversos tipos de locomotivas que vieram a agrupar-se em dois grupos distintos, a saber, locomotivas de linha (as mais importantes) e locomotivas para manobras (corretamente Locotractores).

Locotractores Térmicos de Manobras de Via Larga

Série 1000

Esta série foi a primeira a inaugurar esta categoria de locomotivas para manobras na CP. Foram encomendados à casa Drewry, portanto tecnologia britânica e começaram a operar a partir de 1948. Série reduzida com apenas 6 unidades. De início estiveram alocados em Lisboa e terminaram a sua carreira no Porto, onde foram dados de baixa no Depósito de Porto Contumil. Tiveram em toda a sua vida útil sempre um mau desempenho, muito por força da  disposição dos rodados, que foram de tipo C’, tinham 150 cv de potência e tinham transmissão mecânica. Já não há nenhum ativo no parque da CP. O locotractor 1002, foi preservado e encontra-se no Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento.

Série 1100

Segunda série a entrar ao serviço, em 1949, foram fabricados pela casa norte-americana General Electric, que entregou à CP 12 unidades. Começaram a operar na Região Centro, por exemplo no Ramal da Lousã, onde uma unidade foi perdida em acidente e terminaram a sua carreira na Região Sul, onde foram dados de baixa no Depósito do Barreiro. Tinham transmissão eléctrica, desenvolviam 255 cv de potência e eram de tipo Bo’Bo’. Já não há nenhum ativo no parque da CP. O locotractor 1104 está preservado no Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento.

Série 1050

Introduzidos em 1956, foram a terceira série de locotractores adquiridos pela CP, que os encomendou à casa francesa Gaston Moyse e que entregou 18 unidades. Desenvolveram a sua carreira especialmente na Região Centro. Tinham transmissão elétrica, eram de tipo B’ e desenvolviam 120 cv de potência. Já não há nenhum ativo no parque da CP.

 Série 1150

Entraram ao serviço em 1966/67, foram a quarta série na CP e foi a série com mais unidades construídas, com 36 locotractores. Foram fabricados em Portugal, na SOREFAME, sob licença da casa britânica SENTINEL. Foi a única série com transmissão hidráulica, eram de tipo C’ tinham motorização Rolls-Royce e desenvolviam 250 cv de potência. Já não há nenhum ativo no parque da CP.

Serie 1020

Estes locotractores, construídos pela casa francesa Gaston Moyse, começaram a operar em 1968, eram só 5 unidades e tiveram em toda a sua vida útil uma ocupação distinta das outras 4 séries, ditas comerciais, estes 5 estavam afectos à Direção Indusrial. Foi a série que tinha mais potência, com 425 cv cada locotractor, tinham transmissão elétrica e eram de tipo B’. Já não há nenhum ativo no parque da CP.

Locomotivas Térmicas de Linha de Via Larga

Serie 1500

Foram na CP, a primeira série a operar, desde 1949, foram encomendadas à casa norte-americana ALCO, que entregou 12 unidades. Tinham transmissão elétrica, desenvolviam 1730 cv de potência e eram de tipo A1A’A1A’. Começaram a operar na Região Centro, fazendo Lisboa-Porto e volta, mas terminaram a sua carreira na Região Sul. Já não há nenhuma ativa no parque da CP. A locomotiva 1501, primeira da série, foi preservada e está no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 1520

Devido ao bom desempenho da série 1500, a CP por bem, encomendou à mesma casa ALCO mais 5 unidades similares e que vieram para Portugal em 1951, tornando-se a segunda série na CP. Tinham transmissão elétrica, desenvolviam 1730 cv de potência e eram de tipo A1A’A1A’. Começaram a operar na Região Centro, fazendo Lisboa-Porto e volta, mas terminaram a sua carreira na Região Sul. Já não há nenhuma ativa no parque da CP.

Serie 1300

Terceira série na CP, chegaram em 1952, 12 unidades fabricadas pela casa norte-americana THE WITHCOMB. Tinham 1020 cv de potência, transmissão elétrica e eram de tipo A1A’A1A’.  Começaram a operar na Região Centro, fazendo a Linha da Beira Alta, mas terminaram a sua carreira na Região Sul, onde foi a primeira série a ser abatida ao parque, no final da década de 80′. Já não há nenhuma ativa no parque da CP. A locomotiva 1311, foi preservada e está no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 1200

A CP escolheu para a quarta série de locomotivas, a casa francesa BRISSONEAU & LOTZ, que fez fabricar, entre 1961 e 1964, sob licença, 25 unidades em Portugal, por intermédio da SOREFAME. Tinham transmissão elétrica, desenvolviam 600 cv de potência, sendo a série mais fraca em termos de potência em todo o parque da CP e eram de tipo Bo’Bo’. Começaram a operar na Região Centro, mas terminaram a sua carreira na Região Sul. Já não há nenhuma ativa no parque da CP. A locomotiva 1225, última da série, foi preservada e está no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Série 1400

Com 67 unidades construídas (as primeiras 10 no Reino Unido e as restantes 57 em Portugal) a partir de 1966 a 1969, eram um produto da casa britânica THE ENGLISH ELECTRIC, que sob licença autorizou a SOREFAME a montar grande parte da série, ou seja 57 em 67.  Tinham transmissão elétrica, desenvolviam 970 cv de potência e eram de tipo Bo’Bo’. Começaram a operar na Região Centro, fazendo desaparecer a tração a vapor e é a única série que já circulou por todas linhas de via larga existentes no país. É para muitos ferroviários e railfans a série mais icônica e mais emblemática. Algumas estão ativas na MEDWAY, e na Argentina, que entretanto foram adquiridas em mercado de ocasião.

Série 1800

Esta sexta série foi a primeira na CP a ter 2 cabines de condução e compreende 10 locomotivas com cariz e design tipícamento britânico, foram introduzidas em 1968 e foram fabricadas pela mesma casa que fabricou a série 1400, ou seja THE ENGLISH ELECTRIC. Tinham transmissão elétrica, desenvolviam 2020 cv de potência e eram de tipo Co’Co’. Começaram a operar na Região Centro, fazendo os comboios da Linha da Beira Alta, que foi a sua melhor época, mas terminaram a sua carreira na Região Sul. Já não há nenhuma ativa no parque da CP. A locomotiva 1805, foi preservada e está afecta ao Museu Nacional Ferroviário.

Série 1550

Esta sétima série foi a primeira na CP a ostentar o atual esquema de cores e o atual logotipo da CP, são de estilo e design canadiano, foram introduzidas em 1973 e foram fabricadas pela MLW Montreal Locomotive works, tinham transmissão elétrica, desenvolviam 1700 cv de potência, tinham baixo peso (89,7t) e eram de tipo Co’Co’. Começaram a operar na Região Centro, fazendo os comboios das Linhas da Beira Alta e Beira Baixa, que foi a sua melhor época, mas terminaram a sua carreira na Região Sul. Já não há nenhuma ativa no parque da CP, havendo algumas ativas na TAKARGO, que entretanto foram adquiridas em mercado de ocasião.

Série 1960

Esta oitava série foi a primeira na CP a fornecer energia elétrica às carruagens através de um cabo (linha de comboio) e que era essencial para alimentação do ar condicionado existente nas carruagens couchettes que integravam o Sud Expresso e compreende 13 locomotivas com cariz e design tipicamente canadiano, foram introduzidas em 1979 e foram fabricadas pela BOMBARDIER, e foram as locomotivas da CP com mais peso (121t) , mais comprimento (19.895mm) e mais imponência e poder, tinham transmissão elétrica, desenvolviam 2250 cv de potência e eram de tipo Co’Co’. Devido ao alto consumo de combustível, logo no início da carreira a CP fez estrangular a admissão de gasóleo em cerca de 15/20%, fazendo consequentemente diminuir a potência disponível para um patamar que correspondia ao desejado pela CP. Começaram a operar na Região Centro, fazendo os comboios da Linha da Beira Alta (em especial o Sud Expresso), que foi a sua melhor época, mas terminaram a sua carreira na Região Norte. Já não há nenhuma ativa no parque da CP, havendo algumas ativas na MEDWAY, que entretanto foram adquiridas em mercado de ocasião.

Série 1900

Esta nona série entrou ao serviço em 1981 e foi a primeira na CP a ter vocação específica apenas para rebocar comboios de mercadorias (carvoeiros de Sines no início) embora mais arde também tenham rebocado ocasionalmente comboios de passageiros na Região Sul. Estão limitadas de origem apenas para uma velocidade máxima de 100 km/h, que é uma bitola padrão para os comboios de mercadorias, são um produto da casa francesa Alsthom, que autorizou a SOREFAME a proceder à montagem das mesmas na sua fabrica da Amadora, Portugal. Esta série juntamente com a série 1930, possuem o facto de serem as locomotivas mais novas no parque, são idênticas, excepto em alguns pormenores específicos,, como por exemplo vieram de origem com engatagem automática de tipo Atlas, sendo convertida anos mais tarde para Gancho UIC, tinham transmissão elétrica, desenvolviam 2260 cv de potência e eram de tipo Co’Co’. Começaram a operar na Região Sul, fazendo os comboios da Linha de Sines (Carvoeiros), mas terminaram a sua carreira na Região Norte. Já não há nenhuma ativa no parque da CP, havendo algumas ativas na MEDWAY, que entretanto foram adquiridas em mercado de ocasião.

Série 1930

Esta décima série foi juntamente com a série 1900, as últimas a entrarem ao serviço em 1981, sendo as mais recentes no parque, são um produto da casa francesa Alsthom, que autorizou a SOREFAME a proceder à montagem das mesmas na sua fabrica da Amadora, Portugal,  Estas locomotivas tinham transmissão elétrica, desenvolviam 2260 cv de potência e eram de tipo Co’Co’. Começaram a operar na Região Centro e Sul, fazendo os comboios IC da Linha da Beira Baixa, por exemplo, mas terminaram a sua carreira na Região Norte, fazendo comboios de mercadorias. Já não há nenhuma ativa no parque da CP, havendo algumas ativas na MEDWAY, e na Argentina, que entretanto foram adquiridas em mercado de ocasião.

Locomotivas Térmicas de Linha de Via Estreita

Série 9000

Esta foi a primeira série de locomotivas térmicas adquiridas em segunda mão ao Ferrocarril de Tajuña de Espanha, chegaram em 1975 e começaram a operar na Linha do Corgo e nas Linhas de Via Estreita da zona do Porto, como Linhas da Póvoa e de Guimarães. São um produto da casa francesa Alsthom, eram de tipo Bo’Bo’, tinham potência de 625 cv e tinham transmissão elétrica. Já não há nenhuma ativa no parque da CP, a não ser a 9004 que está afecta ao comboio histórico de via estreita. As restantes locomotivas foram vendidas em mercado de ocasião a operadores africanos.

Série 9020

Esta foi a segunda série de locomotivas térmicas adquiridas em 1975 e começaram a operar na Linha do Tua e nas Linhas de Via Estreita da zona do Porto, como Linhas da Póvoa e de Guimarães. São um produto da casa francesa Alsthom, eram de tipo Bo’Bo’, tinham potência de 830 cv e tinham transmissão elétrica. Já não há nenhuma ativa no parque da CP. Estas locomotivas foram todas vendidas em mercado de ocasião a operadores africanos.

 © 2020 – Conceção do Departamento de Estudos da LUISFER

Desenhos das locomotivas – Agradecimento e cortesia de Eugénio Santos

About Luis Moreira

Check Also

Emissões Filatélicas dos CTT, com motivos ferroviários

Edita-se neste artigo, todas as emissões filatélicas dos CTT, que tenham motivos ferroviários. Devemos acrescentar …