REFER – Catenária 25kV 50Hz ac

Quando na década de 50 do século passado e também como uma manifestação por parte da CP, em melhorar e otimizar a sua exploração ferroviária, precisamente na altura em que se celebrava o centenário (1856-1956) da inauguração do Caminho de Ferro em Portugal, começou a CP a pensar para no concreto começar a eletrificar a sua rede ferroviária, numa experiência totalmente diferente daquela que acontecia já há décadas na Linha do Estoril, explorada pela Sociedade Estoril, de que não teve continuidade, para o resto da nossas linhas férreas.

Também por outras palavras podemos acrescentar que a CP começou tarde demais a proceder à eletrificação das suas principais linhas, com consequências diferentes, ou seja, no período anterior os custos de exploração eram mais elevados, porque dependentes da tração a vapor (em decréscimo) e da tração térmica (em acréscimo) e no período posterior, custos menos elevados na tração elétrica, mesmo considerando os dois principais vetores, como a infra (catenária) e a aquisição do material circulante, como locomotivas e automotoras elétricas. Então, porque começou tarde, a CP vai beneficiar em grande medida, por ter optado com coragem, eletrificar a sua rede na corrente industrial ou monofásica na tensão de 25 kV 50Hz, que estava também a ser opção, em todo o norte e este da França, com espetaculares resultados e que também foi opção para outros países como o Reino Unido (em grande parte) e outros.

A Europa já eletrificada, fazia-o nas seguintes 4 tensões principais:

Corrente Contínua (eletrificações antigas)

– 1500 V cc ou 1,5 kV cc (a)

– 3000 V cc ou 3 kV cc (b)

Corrente Alternada (eletrificações modernas)

– 15.000 V 16 2/3 Hz ac ou 15 kV 16 2/3 Hz ac (c)

– 25.000 V 50 Hz ac ou 25 kV 50 Hz ac (d)

a – escolhida pela França nas suas redes do sudoeste e sudeste, assim como na Holanda, entre outros

b – escolhida pela Espanha, Itália ou Polónia, entre outros

c – escolhida pelos países escandinavos como Noruega e Suécia, assim como pelos de língua alemã, como Alemanha, Áustria e Suiça, entre outros

d – escolhida por Portugal, França (rede norte e este), Reino Unido ou Dinamarca e Finlândia, assim com alguns países do leste europeu, por exemplo.

Em favor da eletrificação da rede portuguesa, foi determinante a experiência, o exemplo, e a qualidade que a SNCF, tinha nas suas redes do norte e este de França, através do então recém criado Groupement 50 Hz, aliança entre as principais construtoras de material circulante de tração elétrica da Europa, em que a integravam colossos como a Alsthom e a Siemens, como também Brown Boveri, AEG, MTE e a nossa ex-SOREFAME.

Aliás, podemos dizer que se tirarmos uma fotografia, em que o motivo principal da mesma é a infraestrutura e a catenária, e se tirada por exemplo nos campos do Ribatejo em plena Linha do Norte, podemos pensar que estamos a ver uma paisagem francesa no norte ou este de França, porque todo o sistema e sua conceção derivam totalmente e são iguais aos que foram implantados pela SNCF nos também anos 50 do século nestas duas zonas da sua rede, que ainda não estavam eletrificadas.

56u5                       

Outro aspeto importante para a economia da exploração ferroviária no modo elétrico, manifesta-se nos custos de exploração, pois o melhor sistema dos 4 em cima apresentado, é aquele que Portugal escolheu e isso significa, uma catenária e todos os seus componentes, eficaz, de grande beleza, leve e que necessita de menos subestações de tração e em que a sua função é de alimentar através da rede elétrica nacional, o troço correspondente da linha férrea, depois da necessária conversão e retificação da energia recebida através da REN e outros fornecedores, nos dias de hoje. Essas mesmas subestações estão espaçadas entre si, de 70, 80 ou 90 kms, enquanto que na corrente contínua de 1,5 kV cc, por exemplo, é necessário muito mais subestações, ou seja, troços espaçados entre si de 20 a 30 km, quando menos, às vezes, tudo dependendo da geografia do traçado e seu tráfego.

Por exemplo, em termos de comparação, existem mais subestações na Linha de Cascais (eletrificada em 1500 V cc), que possui 26 km de extensão, do que na Linha do Norte (eletrificada em 25 kV 50 Hz ac), que soma mais de 300 km de extensão. Em relação à beleza da infraestrutura da catenária, poste (de configuração igual à letra H (Perfil Gray), fios de contato, etc, é bem mais ligeira e leve, do que a muito mais pesada (3 vezes mais por km) catenária de corrente contínua.

Em baixo, situação atual de eletrificações por linhas.

catrefer

About luis

Check Also

Comboios com Nome

Já há muitos anos que na Europa ferroviária se atribuem nomes aos comboios mais categorizados …